nota brumadinho

Depois do desastre criminoso causado na bacia do Rio Doce pela Samarco em 2015, a Vale repetiu o ato em Brumadinho, no último dia 25/01, afirmando assim sua irresponsabilidade ambiental com a mineração no país. A mineradora não tomou as medidas de segurança cabíveis para reparar os danos causados no município de Mariana e não tomou medidas preventivas para que um novo crime acontecesse.

“É necessário que os órgãos da União e dos estados estejam capacitados para assistir as famílias atingidas, e que elas sejam protagonistas nos processos de decisão daqui para frente – e não apenas o Estado e a empresa”, contou Letícia Oliveira, do MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens.

Quando a lógica do lucro prevalece sobre a preservação de vidas, as consequências são irreversíveis. É fundamental que a sociedade civil se organize e discuta sobre o afrouxamento da legislação ambiental e cobre das autoridades um posicionamento sério a respeito das políticas ambientais, com o estabelecimento de medidas urgentes que garantam a segurança da população, do meio ambiente e da biodiversidade.