Democracia para todos? Marielle Franco

Em 15 de setembro comemora-se o Dia Internacional da Democracia. Tal data nos permite reafirmar valores democráticos, estimular o diálogo, a tolerância, o respeito às diferenças. Dia de reconhecer e reverberar a pluralidade de sujeitos e seus valores. Dia de discutir o caminho para a superação por inteiro das formas de discriminação, autoritarismo e violências de toda a ordem. Neste ano, o dia da democracia no Brasil é marcado por amarga lembrança: seis meses se passaram da execução de Marielle Franco e Anderson Gomes. E ainda não temos respostas a respeito dos culpados pelo crime.

(Renan Olaz/Câmara do Rio/Reprodução)

Nosso país, uma jovem democracia, já amargurou a perda de muitos filhos por dissidências evidenciadas no diálogo político. No período nublado que caracterizou os 21 anos da ditadura civil-militar no Brasil, jovens que defendiam a redemocratização foram perseguidos, torturados e mortos. O fantasma do comunismo fez com que os setores conservadores, temendo as propostas da Reforma de Base defendidas por João Goulart, perseguissem e massacrassem os manifestantes e consequentemente o que eles defendiam: a liberdade de manifestação e pensamento, que eram direitos defendidos pela Constituição até ali vigente, promulgada em 1946.

Manifestações de violência causadas por diferenças ideológicas não devem ser propagadas em instância alguma, pois este transbordamento fere diretamente nossos direitos democráticos. Situações como a do candidato à presidência alvo de uma facada em Juiz de Fora (MG) ou os tiros contra a Caravana realizada por Lula (PR) são atos que exigem investigação séria e responsável. Questões políticas não devem ser tratadas sob o signo da intolerância. Os direitos humanos não são privilégios para proteção de determinados grupos e sim um legado à garantia da vida e a integridade física. No caso do presidenciável, pesa o fato de ser a vítima do ataque autor de discursos que semeiam e proliferam agressões a grupos minoritários, além de propor o fim de políticas de direitos humanos. Todo o atendimento dispensado ao candidato reitera que práticas que protegem as individualidades dos sujeitos são imprescindíveis para a manutenção da vida.

Neste Dia Internacional da Democracia queremos uma democracia política efetiva, que respeite as diferenças de atuação na sociedade. Esse exercício não deve compreender manifestações de ódio e uso da força. Neste Dia Internacional da Democracia queremos respostas. Quem matou Marielle e Anderson?

Foto em destaque: Amanda Soares